terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

"Portugal nas Trincheiras - a I Guerra da República."



MUSEU DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA INAUGURA EXPOSIÇÃO SOBRE PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL

Exposição “Portugal nas Trincheiras - a I Guerra da República”
Museus da Politécnica
Rua da Escola Politécnica, 60, Lisboa
23 de Fevereiro a 23 de Abril
Horário
Terça a Quinta e Domingos: 10h00-18h00
Sexta/Sábados: 10h00-24h00
Tel. 213614660

O Museu da Presidência da República vai inaugurar no próximo dia 23 de Fevereiro, no Antigo Picadeiro dos Museus da Politécnica, em Lisboa, a exposição “Portugal nas Trincheiras: a I Guerra da República”.

No ano em que se comemora o primeiro centenário da República Portuguesa, esta iniciativa pretende evocar o primeiro grande acontecimento internacional em que participou o regime instaurado em 1910. É, também, uma oportunidade para homenagear o Combatente português da I Guerra Mundial, através da evocação do seu dia-a-dia, das suas alegrias, angústias e memórias.

Graças ao apoio do Exército, da Liga dos Combatentes e de dezenas de particulares que se associaram a esta iniciativa, foi possível reunir um conjunto muito significativo de peças e documentos relativos à presença das tropas portuguesas na frente de guerra europeia. Desde a partida das tropas para a Flandres – em Fevereiro de 1917 -, até à evocação da memória da Guerra através da Arte, a exposição mostrará a preparação das tropas; a forma de fazer a guerra; o quotidiano dos soldados; a Saúde em contexto de guerra; o que foi a Batalha de La Lys; o papel dos Presidentes da República Portuguesa no conflito e como acabou a guerra, em Novembro de 1918, e se chegou ao Tratado de Versalhes de 1919.

Entre as mais de 200 peças e documentos que estarão em exposição no Antigo Picadeiro do Colégio dos Nobres, destacam-se duas: o canhão Schneider-Canet de 75mm, peça de artilharia pesada utilizada pelo Corpo Expedicionário Português (CEP), e que é bem exemplo do que foi a I Guerra Mundial ao nível da inovação bélica.

De dimensões opostas mas de significado equivalente, um pequeno diário de guerra de um soldado oriundo de uma aldeia da Beira Alta contará a experiência da Grande Guerra na 1ª pessoa e em português. Outros documentos, como correspondência enviada pelos soldados para Portugal, peças do quotidiano, como marmitas, colheres e objectos artísticos elaborados pelos soldados a partir de munições, ou objectos menos agradáveis, mas com igual importância histórica, como instrumentos cirúrgicos utilizados pelos médicos do CEP, permitirão ao visitante fazer uma autêntica viagem no tempo.

Essa viagem será acompanhada, a par e passo, pela imagem – fotografia e filme –, permitindo evocar o Combatente “anónimo”, mas também aquele cujo nome está hoje associado a outros contextos, esquecida que foi a sua condição de combatente da I Guerra Mundial. Serão, assim, entre outros, evocadas as memórias associadas à Grande Guerra de Jaime Cortesão, Anastácio Gonçalves e Hernâni Cidade.

“Portugal nas Trincheiras: a I Guerra da República” será – espera-se –, uma lição de “História ao vivo”.





1 comentário:

António disse...

O Diário do Soldado Beijosense, José Pais dos Santos, na I Guerra Mundial foi publicado na integra em 2006 no Blogue Beijós XXI, da sua terra natal, Beijós - Carregal do Sal.

http://antoniopovinho.blogspot.com/2006/05/dirio-de-um-soldado-beijosense-na-1_15.html